Notícia

casas reais

Infanta Cristina recua e já não vem viver para Lisboa

A viver no "exílio", em Genebra, por causa das acusações no caso Nóos que condenou o marido a 6 anos e 3 meses de prisão, a infanta Cristina recuou na decisão de mudar-se para Portugal, onde o pai e o avô viveram exilados durante o regime de Franco.
Por Hélder Ramalho | 27 de fevereiro de 2017 às 00:00
Cristina e Iñaki: dos luxos à desgraça
Infanta Cristina e Inaki nos tempos da vida de luxo da casa real espanhola
infanta cristina, caso nóos, tribunal, espanha
Inaki envelheceu anos a fio desde que se viu incriminado no caso Noos, por desvio de milhões de euros de dinheiros públicos, através da sua fundação e empresas fantasmas
Os 4 filhos da infanta Cristina e Inaki, Pablo, Juan , Miguel e Irene
Infanta Cristina em tribunal e muito envelhecida
O casamento de sonho em 1997 entre a filha dos reis de Espanha e o menino bonito, Inaki
Antes do escândalo Noos Inaki e Cristina estavam presentes em todos os eventos da família real espanhola
O último verão em maiorca com a família reunida antes do escândalo Noos vir a público, em finais de 2013
Em 2014 com a acusação de Inaki no escândalo a sua figura de cera é retirada da família real espanhola
Os ex duques de Palma e os filhos mudaram-se para a Suíça desde o escândalo
As férias em Maiorca no iate do rei e com a família real são já coisa do passado. Só os filhos continuam a ir de férias com a rainha Sofia
A infanta nunca deixou de amar o marido tendo optado por ficar com ele em vez de se divorciar
A infanta Cristina e Inaki acabaram por ser afastados da família real e apenas a rainha Sofia e a infanta Elena se dão com eles
iñaki urgandarín
iñaki urgandarín
iñaki urgandarín
infanta cristina
infanta cristina, caso nóos, tribunal, espanha
inaki
infanta de espanha
infanta cristina
casamento infanta Cristina
Família real espanhola
familia real espanhola
familia real espanhola
infanta cristina
infanta cristina
infanta cristina
infanta cristina
iñaki urgandarín
iñaki urgandarín
iñaki urgandarín

Infanta Cristina regressou às rotinas em Genebra, na Suíça, cidade onde vive "exilada". Após a sentença, a 17 de fevereiro, a filha mais nova de Juan Carlos e Sofia, voltou à sua vida normal, a sair de casa manhã cedo – 07h25 – para ir trabalhar na Fundação La Caixa e na Fundação Aga Khan, cuja sede estará a ser transferida para Lisboa.

Com a mudança da sede para Lisboa, a infanta Cristina considerou a possibilidade de também ela continuar o "exílio" em Portugal. Mas a irmã do rei Felipe VII de Espanha, reconsiderou e recuou na decisão. Segundo fontes próximas da infanta, "mudança não se irá concretizer". Aliás, em termos profissionais tudo se manterá igual para a filha mais nova de Juan Carlos e doña Sofia, slavo "caso receba melhores propostas", o que poderá estar a acontecer porque "há muitas pessoas com vontade de ajudar infanta Cristina".

Exposta, abandonada e triste, Cristina de Bórbon vai contar agora apenas com o amor dos filhos, da rainha Sofia e da infanta Elena. Condenado, o marido, Iñaki Urgagarín, vai ficar preso em Espanha. A 17 de fevereiro, o Tribunal de Palma condenou Iñaki – cunhado do rei de Espanha – a 6 anos e 3 meses de prisão e ao pagamento de uma multa de 512.553,68 euros por prevaricação, fraude, tráfico de influências e delito contra a Fazenda Pública espanhola, no mediático 'Caso Nóos'. 

Com o escândalo do 'Caso Nóos', os reis de Espanha, Felipe e Letizia afastaram-se do casal bem como o rei emérito Juan Carlos. Cristina encontrava a força no marido, o amor da sua vida de quem nunca se quis divorciar, apesar dos pedidos do rei emérito Juan Carlos por causa do escândalo financeiro. Cristina preferiu ser afastada da Casa Real a separar-se de Iñaki e os últimos anos têm vivido um para o outro e para os filhos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Mais Lidas

+ Lidas

Saber mais sobre

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável

;