Notícia

Exclusivo

Jackie e John Kennedy: vida de traições mútuas

Uma nova biografia de Jackie Kennedy revela que a antiga primeira-dama dos EUA sabia dos ‘affairs’ do seu marido, John F. Kennedy mas continuava a amá-lo… e a traí-lo.
09 de janeiro de 2017 às 15:29
...
Jackie e John Kennedy: vida de traições mútuas
Foto: Getty Images

Passaram mais de 22 anos desde que Jacqueline Bouvier Kennedy Onassis morreu vítima de cancro no sistema linfático. Mas a vida da antiga primeira-dama dos Estados Unidos e viúva do 35.º presidente dos EUA, John F. Kennedy continua a ser um caso de enorme curiosidade um pouco por todo o mundo.

E, uma nova biografia, ‘Jacqueline Bouvier Kennedy Onassis: A História Nunca Contada’, de Barbara Leaming traz novos episódios até agora desconhecidos do público. De acordo com a autora, Jackie Kennedy ficou muito abalada com a morte do marido, assassinado em Dallas em 22 de novembro de 1963, de tal forma que a ideia de suicidar-se chegou a ganhar forma no seu pensamento.

Consumida pela dor e desesperada por saber que teria de educar os filhos Caroline, com seis anos na altura, e John Jr., com três, a primeira-dama manifestou a dois sacerdotes a vontade de pôr termo à vida. "Achas que Deus me afastaria do meu marido se me matasse?" Terá questionado ao padre Richard McSorley. O sacerdote disse-lhe por várias vezes que não era justo pedir a morte e convenceu-a do quanto os filhos precisavam de si.

Refúgio no álcool e nos homens

Segundo a nova biografia, o álcool foi o refúgio de Jackie Kennedy para ultrapassar a morte do marido, como já antes para manter o seu casamento. Grandes quantidades de vodka de resto já faziam parte da sua vida e serviam-lhe de consolo na hora de lidar com as traições do marido. John F. Kennedy era conhecido pelos seus casos extraconjugais.

O álcool e os braços de outros homens. Apesar de serem as infidelidades de John F. Kennedy as mais faladas, há também quem garanta que para se vingar do marido Jackie também o traiu com dois homens. O primeiro caso amoroso terá sido com o ator William Holden e o segundo com Roswell Gilpatrick, o então número dois do departamento de Defesa dos EUA. 

As traições de Jackie
Jackie e John F. Kennedy conseguiram sempre esconder as crises no casamento
O casal quando ainda namorava, numas férias em Hyannis Port, Massachusetts, em 1953
John Kennedy com a mulher Jackie numa pose para a revista Life, em 1959
O ator William Holden, que contracenou com Audrey Hepburn, em 'Sabrina', é apontado como um dos amantes de Jackie Kennedy
Jackie e John Kennedy
 John e Jackie Kennedy
 William Holden



Recorde-se que a amante mais conhecida do 35.º presidente dos Estados Unidos foi Marilyn Monroe e Jackie sabia do romance. A primeira-dama chegou mesmo a escrever sobre ela em tom de desabafo ao padre Richard McSorley. Mas Jackie sempre soube lidar com as traições do marido e embora soubesse muito sobre o assunto, fingia saber muito pouco.

"O casamento deles foi o casamento de uma era. E no fim do dia Jack [forma carinhosa como John F. Kennedy era tratado] voltava sempre para Jackie. Eles amavam-se", referiu à revista People um amigo próximo da família. "Ela vinha de um mundo onde os homens tinham este tipo de comportamento, e aceitava-o", explica ainda Pamela Keogh, autora do livro ‘Jackie Style’.

Idolatrada por milhões de mulheres em todo o mundo e considerada um ícone de beleza e elegância, Jackie não teve uma vida fácil enquanto primeira-dama, mas nunca baixou os braços. E, mesmo quando ficou viúva soube dar a volta por cima. Casou com Aristóteles Onassis cinco anos depois do assassinato do marido e, até à data da sua morte, a 19 de maio de 1994, aos 65 anos, manteve a sua personalidade pragmática.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Mais Lidas

+ Lidas

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável