'
Paulo Abreu
Paulo Abreu o tal canal

Notícia

Cristina Ferreira nas manhãs da TVI

Uma das melhores não pode estar desaproveitada, só a fazer o Big Brother aos domingos. Tem de estar em antena de segunda a sexta-feira. O regresso da apresentadora às manhãs, o horário que a fez uma estrela, seria o início da caminhada da TVI rumo à liderança.
03 de setembro de 2022 às 11:16
...
Cristina Ferreira, apresentadora, TVI Foto: Instagram

Setembro está aí, e as televisões preparam-se para estrear as derradeiras apostas de 2022. Se o ano está ganho para a SIC, é bom ver como vai atuar a TVI, agora com José Eduardo Moniz 100 por cento ao leme – o escudo de Cristina Ferreira, para o bem e para o mal, acabou. Por exemplo, uma das minhas maiores curiosidades tem que ver com as manhãs: ‘Dois às 10’ irá continuar como está? A dupla Cláudio Ramos e Maria Botelho Moniz corresponde às expectativas do diretor-geral? Tenho sérias dúvidas.

As manhãs não são o horário mais importante numa estação, mas, para mim, e aproveitando uma expressão popular, "de manhã é que se começa o dia". E é aqui que se travam as primeiras horas na guerra das audiências, capazes de criar uma dinâmica de vitória até à noite. Nessa ótica, Moniz tem de mexer rapidamente no ‘Dois às 10’. Na dupla, nos conteúdos, nos convidados. Cláudio e Maria, que não precisaram de criar empatia porque já a tinham desde o ‘Passadeira Vermelha’, evoluíram, sim, não envergonham, sim, não fazem mal, sim, mas chegámos a um ponto em que é preciso mais. Serem melhores, indiscutivelmente. Não o são.

‘Dois às 10’ faz, no dia 4 de janeiro, dois anos de vida. O balanço é pobre, com muitas derrotas, frente a um adversário da SIC, composto de Diana Chaves e João Baião, "inventado à pressão" por Daniel Oliveira após a saída de Cristina Ferreira para a TVI. Longe de mim ensinar algo a Moniz, mas, se eu mandasse em Queluz de Baixo, em janeiro, apostaria num programa novo nas manhãs, com Cláudio e… Cristina. Sim, Cristina Ferreira.

Uma das melhores não pode estar desaproveitada, só a fazer o ‘Big Brother’ aos domingos. Tem de estar em antena de segunda a sexta-feira. O regresso de Cristina às manhãs, o horário que a fez uma estrela, seria o início da caminhada da TVI rumo à liderança, obviamente sustentada com uma grelha mais coerente, dinâmica, atrevida, capaz de romper com o marasmo atual. Foi assim que a SIC, com a apresentadora entre as 10:00 e as 13:00, em 2019, se chegou à frente. O "vizinho" era – isso, caro leitor – Cláudio Ramos. Perguntar-me-á: "E a Maria Botelho Moniz?" A pequena fotocópia de Júlia Pinheiro faria bem o ‘Somos Portugal’. 

Mais notícias de O Tal Canal

Sabe o quê, José Alberto Carvalho?

Sabe o quê, José Alberto Carvalho?

Na entrevista ao primeiro-ministro, António Costa, o jornalista confirmou que é um erro de casting neste género jornalístico. A informação da TVI tem de levar um abanão
Queridos, as férias acabaram. É tempo de voltar para casa

Queridos, as férias acabaram. É tempo de voltar para casa

Há notícias terríveis de dar às "crianças" quando estas se divertem no parque, ou na praia, ou em qualquer lugar animado (mesmo que não pareça): acabou, temos de regressar. Foi basicamente o que aconteceu aos repórteres televisivos destacados para a cobertura do velório e funeral com a morte da rainha Isabel II.
Elogio da entrevista

Elogio da entrevista

O FC Porto devia agradecer ao jornalista Tiago Peres Costa, da Sport TV, a oportunidade proporcionada ao jogador Taremi para explicar, pela primeira vez, o que aconteceu no lance em que foi expulso em Madrid, num jogo a contar para a Liga dos Campeões.
'Big Brother': desculpem, em que ano estamos? (ou como regredir uma década num formato)

'Big Brother': desculpem, em que ano estamos? (ou como regredir uma década num formato)

O que se passou com esta nova edição? Fez-se tábua rasa das inovações do 2020, com estilos diferentes de concorrentes, a ligação maior às redes sociais, a lógica do reality como motor de "consciência social" e regressou-se à versão "vamos lá encher isto" e o resultado é uma salada, entre famosos (na verdade é só um, Nuno Homem de Sá), ex-concorrentes de reality e anónimos "à moda antiga", que não funciona (acredito) como a TVI imaginou.
A bolha mediática

A bolha mediática

A quantidade de enviados-especiais, horas de emissões em direto, comentadores envolvidos e especiais de informação em redor da morte da rainha de Inglaterra é um momento de delírio, em que parte dos canais de informação embarcou em opções editoriais incompreensíveis.
Da guerra

Da guerra

Depois de tanta notícia, depois de tanto comentário e, sobretudo, depois de tanta propaganda, a questão é outra. Como se explica que o sentido predador do Homem continue a produzir guerras, a dizimar populações, como argumento mais forte nas relações entre seres humanos?

Mais Lidas

+ Lidas