'

Notícia

inclusão

'Proud' Kamala na 'pride parade'. Vice-presidente marcha com manifestantes LGBT em Washington

Antiga senadora da Califórnia tornou-se na primeira vice-presidente norte-americana a participar numa marcha do orgulho LGBT+ mas não escapou às críticas por nunca ter visitado as fronteiras, que se tornaram protagonistas de mais uma crise migratória nos Estados Unidos.
17 de junho de 2021 às 15:11
...
Kamala Harris com o marido Doug Emhoff, na marcha Pride, em Washington DC Foto: Twitter/@VP

Kamala Harris tornou-se, no passado sábado, a primeira vice-presidente vigente a comparecer numa marcha ‘Pride’, com o intuito de mostrar apoio às dificuldades e discriminação por que passa a comunidade LGBT+ nos Estados Unidos da América. A antiga senadora do estado da Califónia surgiu na marcha de Washington com uma t-shirt com a inscrição ‘Love is Love’ (‘Amor é Amor’ em português), junto do seu marido, Doug Emhoff.

Em declarações à imprensa, Kamala afirmou que "temos de nos assegurar que a nossa comunidade transgénero e a nossa juventude estão protegidas. Precisamos ainda de construir proteções no que toca a emprego e alojamento. Há muito trabalho a fazer, mas estamos comprometidos." Estas declarações configuram-se como um eco das do presidente norte-americano Joe Biden que elogiou a existência de um mês dedicado ao orgulho LGBT: "Durante o mês ‘Pride’ nós reconhecemos a resiliência e determinação de muitos indivíduos que lutam para viver com liberdade. Ao fazê-lo, estão a abrir corações e mentes e a deixar a base para uma América mais justa e igualitária."

Ainda assim, a vice-presidente norte-americana não escapou às críticas por nunca ter marcado presença na fronteira com o México, após as declarações recentes em visita à Guatemala em que recomendou os migrantes guatemaltecos a não tentar a viagem até aos Estados Unidos - "não venham", repetiu - no âmbito da crise de migração, algo que levou a comparações com o discurso apresentado pelo antigo presidente Donald Trump.

Kamala Harris e Jill Biden, o simbolismo das duas na tomada de posse do novo presidente dos EUA
Jill Biden quis declarar um novo começo com um conjunto azul, de “confiança, segurança e estabilidade”, enquanto a vice-presidente dos EUA escolheu um conjunto da cor púrpura de um jovem estilista negro, Christopher John Rogers
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Jill Biden
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris
Kamala Harris

Alguns eleitores mais à esquerda relembram ainda que o percurso de Kamala Harris em relação aos direitos LGBT+ previamente a assumir a vice-presidência foi titubeante: se é verdade que foi das primeiras pessoas ligadas à política a apoiar a igualdade de direitos em relação aos casamentos, também é inegável que a sua época enquanto promotora de Justiça do estado da Califórnia levou a que a sua reputação dentro das comunidades minoritárias tenha sofrido um claro revés, nomeadamente após ter lutado para que tratamento médico essencial a uma reclusa transgénero, Michelle Nosworthy, fosse negado, em 2015, algo pelo qual tomaria responsabilidade anos mais tarde, argumentando que no seu cargo teria de ficar do lado dos seus clientes, mesmo que esse fosse contrário às suas crenças.

Contudo, apesar das vários críticas, o nome de Kamala foi desde cedo na última década uma constante nos círculos mais associados ao partido democrata e, efetivamente, tornar-se-ia na primeira mulher a assumir o lugar de vice-presidente, assim como a primeira pessoa de raízes africanas e asiáticas a fazê-lo. Mais recentemente, ainda esta terça-feira, Kamala Harris convidou todas as senadoras mulheres para um jantar na sua casa em Washington DC, demonstrando uma vontade de incentivar a que haja uma maior igualdade de relevância na política norte-americana. No fim, sabe-se que seria uma tarefa difícil agradar a todos, fica ainda por saber se a dupla formada por Biden e Kamala irá conseguir convencer todos aqueles que prometeu defender, mas a imagem deixada até ao momento mostra a vontade em alinhar na onda da mudança em relação ao mandato de Trump.

Saber mais sobre

Vai gostar de

você vai gostar de...