'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Até sempre, Marília!

Para tornar mais negra a tragédia, que Marília nem imaginava que lhe estava a bater à porta, minutos antes do acidente, publicou um vídeo no avião que a transportava para lugares onde ia realizar vários espetáculos. Parecia uma jovem aparentemente calma, a debicar arroz, óculos escuros, tranquila, à espera do momento de aterrar.
14 de novembro de 2021 às 06:00
...
Marília Mendonça

Não fazia parte dos meus interesses musicais. O breve tempo que esteve entre nós, não me suscitou particular atenção. Até que a sua morte, a bordo de um pequeno avião, obrigou a mais atenção. Marília Mendonça cantou para milhões de admiradores. E ao som dos seus versos cantaram, em coro, muitas dezenas de milhares de pessoas.

Tinha vinte e seis anos quando a morte a encontrou na passada semana. Muito cedo, tão cedo, que o Brasil inteiro a chorou. Assim, como em Portugal onde se encontravam muitos dos seus admiradores, predominantemente jovens.

Para tornar mais negra a tragédia, que Marília nem imaginava que lhe estava a bater à porta, minutos antes do acidente, publicou um vídeo no avião que a transportava para lugares onde ia realizar vários espetáculos. Parecia uma jovem aparentemente calma, a debicar arroz, óculos escuros, tranquila, à espera do momento de aterrar. Qual a razão de ser desta dor coletiva que atormentou tanta gente com o desaparecimento da cantora?

Em primeiro lugar a juventude. A morte, a única certeza que existe no nosso futuro, espera-se depois de uma vida comprida e vivida. Uma rutura radical que torna a existência num Nada insuportável. É paradoxal, não conhecendo nós o que é morrer, pois só conhecemos a morte do Outro, tenhamos tanta fome de imortalidade. Em cada um que parte, reconhecemos a impossibilidade desse sonho. Todos iremos morrer em dia e hora que desconhecemos. O trauma da separação é maior quanto mais jovem é aquele que falece. Como se a interrupção do processo de vida, não escolhesse idades, sexo, religião. Ficamos viúvos de vida. Só a memória redime tão irreversível separação. No caso de Marília, o processo é bem mais doloroso. Pelas suas qualidades artísticas, ascendeu ao panteão dos heróis onde se expõem aqueles admiramos. É este o psicodrama que perturba os seus seguidores. Afinal, a sua heroína, era tão frágil como qualquer deles. Que Descanse em Paz!

Mais notícias de Piquete de Polícia

Nova vaga

Nova vaga

Os números revelam que a pandemia está a ultrapassar os limites em países em que a vacinação é baixa. Ou dizendo de outro modo, em regiões onde a recusa da vacinação teve maior impacto. Mais infetados, mais internados, mais mortos. É o reverso da medalha das manifestações e apelos contra a vacinação. A ignorância a revelar o seu lado mais sinistro, matando mais gente. De tal modo, é grande a tormenta que a Áustria se viu obrigada a interditar espaços públicos a quem não esteja vacinado.
Até sempre, Marília!

Até sempre, Marília!

Para tornar mais negra a tragédia, que Marília nem imaginava que lhe estava a bater à porta, minutos antes do acidente, publicou um vídeo no avião que a transportava para lugares onde ia realizar vários espetáculos. Parecia uma jovem aparentemente calma, a debicar arroz, óculos escuros, tranquila, à espera do momento de aterrar.
O carro do ministro

O carro do ministro

O acidente mortal provocado há largos meses pela viatura que conduzia o ministro Eduardo Cabrita está transformado num pedaço do anedotário nacional. A fazer fé nas últimas notícias, em que se procura provar que o inditoso trabalhador do Escoural não estava a trabalhar aquando da sua morte é daquelas hipóteses que são tão ridículas como perniciosas.
Crises

Crises

A todas estas crises somam-se outras bem mais perigosas, de índole moral e cívica. Contaminados pelo efémero, incapazes de segurar o tempo para a reflexão, confundimos aprendizagem e comunicação com educação, produzindo jovens desorientados entre modelos sociais e comportamentais diferentes e, por vezes, em conflito.
Os combustíveis e o crime

Os combustíveis e o crime

O governo está a lidar com os aumentos dos combustíveis com propaganda simplista e demagógica. Forjada sob uma grande causa que hoje se coloca ao planeta: é necessário descarbonizar para que não haja um colapso ambiental, por isso, o custo dos combustíveis pode impedir o excesso de mobilidade automóvel e, por isso, a menor produção de gases com efeito de estufa. É uma desculpa cobarde. Sendo verdade a afirmação, é necessário criar os contextos para que essa descarbonização seja sustentada.
Espancamentos noturnos

Espancamentos noturnos

O que surpreendeu o País foi o brutal espancamento ocorrido numa discoteca no Algarve, onde um segurança, credenciado por uma empresa de segurança privada, de forma brutal e desproporcionada flagelou um indivíduo que pacificamente falava com ele. As imagens são arrepiantes.

Mais Lidas

+ Lidas