'
Paulo Abreu
Paulo Abreu O Tal Canal

Notícia

A TVI tem (bom) destino

A nova novela da estação de Queluz de Baixo, gravada no Ribatejo, é um bálsamo na ficção nacional, com Pedro Teixeira em bom plano e outros atores a assinarem interpretações fantásticas. Luís Esparteiro, Marina Mota e Pedro Sousa são três rostos deste sucesso.
15 de maio de 2020 às 23:20
...
Pedro sousa, quer o destino, TVI, ator Foto: colina media

Não sei se já teve oportunidade de ver um episódio de Quer o Destino, a novela da TVI passada no Ribatejo. Se já viu, ou é fã, entende o que vou escrever; se ainda não viu nada, espreite, que não se vai arrepender.

É uma boa história, bem adaptada de um original chileno –
Amanda – à realidade portuguesa, tem vários protagonistas e um elenco com uma qualidade acima da média. Embora Pedro Teixeira seja o mais mediático, aquele a quem o elogio seja mais barato, quem segue a trama de Vitória (Sara Barradas), a enfermeira violada aos 14 anos pelos irmãos Santa Cruz, sabe que o segredo do sucesso é mais do que isso.

Para mim, o segredo é ter um Luís Esparteiro, que se estreou como ator em Vila Faia (1982), no melhor papel da sua vida, graças ao fadista surdo Alfredo; é ter uma ressuscitada Marina Mota capaz de fazer rir e, imagine-se, de fazer emocionar; é ter um Pedro Sousa na pele do psicopata Mateus, um médico-veterinário que mete medo a qualquer um; é ter um Rodrigo Paganelli, nascido nos Morangos com Açúcar, dar um festival de representação, na pele de Hugo, trabalhador rural, sindicalista e um puro romântico; ou, por fim, é ter uma Eunice Muñoz, com 91 anos, apesar de ser uma participação especial, a mostrar como se faz.

Quer o Destino tem muita qualidade, é uma excelente aposta da TVI, com uma média de 1 milhão e 200 mil espectadores. E numa estação que anda a caçar com fisgas, que vive uma instabilidade diária remenda, que enfrenta um rival, o de Paço de Arcos, que se dá ao luxo de ter especiais que não têm nada de especial, de manhã à noite – caro Daniel Oliveira, só falta pôr a palavra especial durante os anúncios –, este resultado, que a leva a ser líder ao sábado, tem de ser valorizado.

Outra trama do género, portuguesa, a explorar esta fase emocional que tomou conta de nós todos, bem produzida e com um elenco forte, começava a fazer mossa na SIC. Sim, a fórmula para a TVI poder vencer um dia a SIC é ter na grelha duas boas novelas e um reality show, que pode até ser o Big Brother, que vai começar a crescer nos próximos dias. Mas, claro está, para isso, a estação de Queluz de Baixo precisa de várias coisas, principalmente de estabilidade… que hoje não tem.

Mais notícias de Piquete de polícia

História banal

História banal

Não é novidade para ninguém que a violência doméstica continua a multiplicar vítimas atrás de vítimas num local onde se prometeu amor, em que se desejou a esperança e o carinho, a ternura e alegria por todos que habitam no mesmo lugar. Infelizmente não é assim. O problema é que continuamos a lidar com a questão sempre da mesma maneira. Quando não se sabe como resolver, entrega-se o caso à polícia e aos tribunais.
Politicamente correto

Politicamente correto

Comecemos por aquela questão inevitável que se pode fazer a quem programa: o que (co)move as pessoas? Uma leitura rápida dirá, as grandes causas: racismo, homofobia, género, feminismo, ambiente... Estamos todos de acordo que estes são os grandes temas que os "twitteiros" adoram e que quem é obcecado por "estar sempre em cima do acontecimento" não pode passar ao lado.
Má ideia

Má ideia

O domingo à noite é o horário tipicamente familiar. Os formatos programados para este horário procuram fazer o arco das idades e dos géneros, para agradar a novos e velhos, homens e mulheres, público citadino e rural. Ora, é precisamente no horário mais transversal da televisão que a TVI faz a escolha disruptiva de colocar dois homens lado a lado? Não se entende.
Em equipa que ganha... voltamos a mexer!

Em equipa que ganha... voltamos a mexer!

Qual a última para nos "surpreender" – essa palavra que as televisões tanto gostam? Inventar apresentadores novos para o Big Brother. A minha pergunta, sentada no sofá, arrasada de tanta mexida, é: "Mas para quê?" Não estava bem como estava? O programa não era líder incontestado com Teresa Guilherme ou, depois, com Teresa Guilherme e Cláudio Ramos? Então, mexer para quê?
Sexo comercial

Sexo comercial

Foi necessário deixar passar alguns dias, até se conhecer a decisão do juiz de instrução que apreciou o caso. Teve a prudência de esperar por exames forenses e verificação de comunicações telefónicas. E decidiu. Embora se desconheça o processo, é certo, que não aceitou as provas de violação que lhe foram presentes. E aceitou provas de que a jovem procurou extorquir dinheiro ao atleta português sob a ameaça de uma denúncia judicial. Extorsão e sexo quando se aliam tornam-se num instrumento perverso que atinge os dois protagonistas.
Pela liberdade

Pela liberdade

Diz José Gomes Ferreira: "Não me revejo nesta sociedade em que não há uma censura oficial, mas há uma autocensura promovida pela vigilância mútua das redes sociais. Ou dizes o que a mediana das pessoas dizem ou estás queimado. Não entro nesse jogo. Há mais censura hoje nas redes sociais do que nos anos 30 nos jornais em relação a investigação histórica."

Mais Lidas

+ Lidas