'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Céu vermelho

O fogo é o nosso companheiro habitual em cada verão das nossas vidas. Muito ou pouco ameaçador, instala-se, alimenta-se, mata, se for necessário, e depois segue para outras paragens. E é injusto. Atinge os mais fracos, despedaça a vida dos mais desfavorecidos.
24 de julho de 2022 às 06:00
...
Incêndios Foto: CMTV

São imagens vindas do inferno, aquelas que as televisões nos mostram das matas e das florestas em chamas. Monstruosamente belas, magníficas e assustadoras. Depois chegam as imagens dos povos dos campos.  Em desespero, procurando iludir a impotência com alguns baldes de água com que, em vão, tentam espantar a besta de fogo. É tanto o sofrimento, o conformismo dos vencidos, as lágrimas de derrota que dói na alma de quem testemunha a tragédia. Depois chegam imagens mais sinistras. Bombeiros envoltos em fumo e cinzas pisando os territórios do Demo, sombras chinesas enroladas com as chamas, valentes, silenciosos, vergastados pelo cansaço, olheiras fundas, nos limites das forças.

Depois, como se mudássemos para um mundo perfeito, doce e inteligente, surgem os explicadores, longe da brutalidade do recontro com a morte, confortáveis, comentando tragédias, entrecruzando análises, tranquilos nos seus saberes perfeitos, mas incapazes de parar o apocalipse.

São as alterações climáticas, é o combustível depositado nas florestas, é a falta de cadastro, é a ausência de planeamento, é a negligência dos usufrutuários dos solos, são os incendiários. É tanta coisa que o equilíbrio se restabelece perante a evidência mais dura: O fogo é o nosso companheiro habitual em cada verão das nossas vidas. Muito ou pouco ameaçador, instala-se, alimenta-se, mata, se for necessário, e depois segue para outras paragens.

E é injusto. Atinge os mais fracos, despedaça a vida dos mais desfavorecidos, empanturra-se na imensa solidão florestal onde já não restam muitos homens, nem ovelhas, nem cabras e onde as hortas minguam à falta de água e de quem delas trate. Dois terços do País são solidão, velhice, sexo fácil complacente às chamas. Há décadas que se sabe que este convívio com o fogo é injusto. Que a desertificação humana do interior expõe populações fragilizadas à voracidade dos incêndios. Faltam investimentos nesses territórios do Demo. Falta riqueza. Falta gente. Por aqueles lugares crescem Lares para idosos e desaparecem as maternidades. Cresce o mato e o silêncio. O ventre mais fértil para todos os fogos. As terras onde no final de todas as tardes o céu se torna vermelho. Lágrimas de sangue e sofrimento. E de saudades. É urgente que os homens regressem a este País órfão de alma.          

Mais notícias de Piquete de Polícia

O luto impossível

O luto impossível

A morte de Archie torna-se, neste contexto, num alerta para todos os pais, com filhos menores, no que respeita à manipulação de telemóveis e redes sociais.
Outra guerra!

Outra guerra!

E que ninguém duvide: a violência doméstica e o homicídio de mulheres é dos mais graves problemas da sociedade portuguesa e, por tal motivo, muito menos dele se fala, pouco se reflete e há quase um esforço coletivo para ignorar ou evitar trazer a tragédia para o debate público.
Céu vermelho

Céu vermelho

O fogo é o nosso companheiro habitual em cada verão das nossas vidas. Muito ou pouco ameaçador, instala-se, alimenta-se, mata, se for necessário, e depois segue para outras paragens. E é injusto. Atinge os mais fracos, despedaça a vida dos mais desfavorecidos.
O Tempo

O Tempo

É o terrível relógio do tempo que nos induz ao esquecimento e, por isso, que seja necessário repetir, como se fosse o primeiro verão das nossas vidas, os cuidados e prevenções face às vagas de calor.
A saúde da cabeça

A saúde da cabeça

Está instalada uma atmosfera de insegurança, de descrença, de medo que se expressa no noticiário que, dia após dia, nos anunciam as vésperas do Apocalipse.
A bruxa

A bruxa

Para lá das lantejoulas que fazem o espetáculo televisivo dos pobres, para lá dos discursos vazios sobre o Portugal progressista e avançado, veio ao nosso encontro um pedaço da realidade que continua influente, bem viva, resistente à mudança, suportada na crença e na superstição.

Mais Lidas

+ Lidas