'
Daniel Nascimento
Daniel Nascimento Embaixador FLASH!

Notícia

As minhas dúvidas e as tuas certezas

De que vale chorar pelos mais de quatro milhões de mortos de Covid-19 em todo o mundo, se queremos jogar à roleta russa com a sorte que nos vai cabendo?
01 de agosto de 2021 às 19:46
...

Afinal, de que vale a conversa do distanciamento, máscaras, vacinas... se o que a malta quer, no fim, é mandar tudo às favas e curtir como nos bons velhos tempos? De que vale chorar pelos mais de quatro milhões de mortos de Covid-19 em todo o mundo, se queremos jogar à roleta russa com a sorte que nos vai cabendo?

Numa altura em que a pandemia não dá tréguas em lado nenhum, de tal forma que o Japão eliminou o público dos Jogos Olímpicos, a Europa joga fogo no parque e mostra que o mais importante é dar ao povo o que o povo quer: um Euro. Mesmo com números que, ora sobem, ora descem e voltam a subir, o estádio de Wembley, na Inglaterra, recebeu milhares de adeptos para as semi-finais e para uma final desastrosa para os ingleses. Porque "the show must go on" a qualquer preço, dê por onde der. Mesmo que se pague em contágios, a economia não pode viver refém do medo.

É certo que a "política do Apocalipse" em relação à pandemia funciona até onde pode, mas está destinada a perder fôlego por causa da falsa ideia do resultado das vacinas ou da desinformação que resulta das dúvidas da própria ciência. O futebol, para o bem e para o menos bom, tem (ou pretende ter) o poder de juntar pessoas à volta dum mesmo propósito: celebrar conquistas. Qualquer jogo é um risco mais ou menos calculado, em função dos objetivos de quem tem uma palavra a dizer.

Eu adoro futebol. Mas isso basta para eu correr riscos em nome duma estranha forma de sorte? Não e não mesmo. Mas faço parte da crescente minoria que prefere manter as mesmas precauções, apesar de duas vacinas tomadas. Porque, muito provavelmente, poderemos ter de tomar uma terceira dose, a fazer fé nas contas da ciência a serviço dos cidadãos e das economias mundiais.

E quando ouço que centenas de pessoas foram infetadas nos estádios, tenho a certeza do que não quero. A UEFA? A UEFA... nada. Deixou claro que não iria exigir que se diminuísse o número de adeptos em Londres. A mesma UEFA que, diante duma lei húngara contra a comunidade lgbtqia+, sentou-se no murinho (com Portugal) e disse não querer "passar nenhuma mensagem política", ao não permitir que se iluminasse um estádio com as cores da diversidade sexual. Mesmo com os adeptos a empunharem bandeiras arco-íris, fizeram ouvidos de mercador! A mesma UEFA que promove campanhas a favor da pluralidade, contra o preconceito e discriminação racial, no caso assobiou para o lado. Ou seja, 60 mil pessoas com a festa estragada em Wembley, valem mais à economia europeia, que um "bando" de húngaros a gritarem por uma liberdade que lhes é devida. Claro!

Enquanto isso, em tempos duma pandemia que, supostamente, nos iria tornar mais próximos e mais humanos, já assistimos de tudo: um presidente francês a levar um estalo dum cidadão com o mundo inteiro a assistir... outro presidente, no Brasil, a agredir verbalmente uma jornalista e a destilar palavrões contra uma estação de televisão... a família real inglesa virada do avesso sob acusações de racismo e falta de empatia... uma jornalista portuguesa insultada na rua, quando fazia o seu trabalho, por ser negra... manifestações em Cuba contra o regime... tumultos violentos na África do Sul por causa dum ex-presidente a contas com a justiça... a prisão dum rapper ativista em Espanha por criticar a família real espanhola ou a eliminação consecutiva das maiores potências do futebol, durante o Euro.

Se quiserem, também a primeira vitória de Lionel Messi com a Seleção Argentina, festejada efusivamente pelo próprio, quando foi Dí Maria a marcar o golo decisivo. Tudo isso faz parte da nossa memória coletiva da pandemia e não necessariamente pelos melhores motivos. Mas para que nunca nos esqueçamos que entre a retórica da união, da maturidade e da mudança e a realidade, vai um caminho que pode ser a diferença entre estarmos otimistas em 2021, mas sempre a pensar: "será que isto vai mesmo acabar um dia"?

Mais notícias de Embaixadora FLASH!

Em outubro, todas as cores são rosa

Em outubro, todas as cores são rosa

Apaziguámos os dias agitados e as paletas de cores unem-se num só tom para dar voz ao cancro da mama. Uma causa de todos. Das que lutam. Dos que partilham essa jornada. Das que contam segundos até à vitória e das que não vencem. Das amigas que têm medo. Das que precisam de mais cor do que um cenário negro para lhes lembrar que são muito mais do que o diagnóstico que receberam. Bem mais. E foi "Por elas" que quisemos agir. Pelas mulheres, pelas famílias e por todas as histórias que precisam de cor. Porque todos precisamos de cor. Muita cor.
Simpatia perpetua – as verdades que afinal não o são

Simpatia perpetua – as verdades que afinal não o são

Decerto que todos concordarão que conduzir em Portugal não é uma experiência tranquila, isenta de stress, especialmente nos grandes centros urbanos ou em locais de maior tráfego. Assistimos diariamente a uma transformação de muitos condutores em mercenários e praguejadores, com uma facilidade enorme, onde nem a presença de crianças serve de atenuante. E esta antipatia contagia-se, qual pandemia.
O recomeço

O recomeço

É com esperança que o setor encara o momento atual e embora sabendo que terá ainda pela frente 4 a 5 meses de inverno duros, temos dados positivos que indicam que poderemos em breve retomar o papel e importância na economia e no desenvolvimento do país. Como primeira nota e com os dados que temos ao momento, a situação pandémica aparenta estar controlada e o sucesso do processo de vacinação em Portugal terá dado o seu importante contributo para este resultado. A operação logística e a adesão dos portugueses ao processo foi exemplar, colocando-nos nos primeiros lugares do ranking mundial.
A importância da sustentabilidade social

A importância da sustentabilidade social

O tema da sustentabilidade tornou-se um dos assuntos mais debatidos nos últimos anos. Com um aumento da consciencialização sobre a necessidade de preservar o meio ambiente, o conceito de desenvolvimento sustentável evidenciou-se. Porém, e a meu modo de ver, existe um outro conceito que também ganhou particular espaço: o de sustentabilidade social, que pressupõe a melhoria da qualidade de vida das pessoas, tendo por objetivo a economia de recursos, diminuição das desigualdades sociais e ampliação dos direitos humanos, assim como erradicar a pobreza no mundo.
As minhas dúvidas e as tuas certezas

As minhas dúvidas e as tuas certezas

De que vale chorar pelos mais de quatro milhões de mortos de Covid-19 em todo o mundo, se queremos jogar à roleta russa com a sorte que nos vai cabendo?