'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Fim das preocupações

É esta a razão principal do nosso subdesenvolvimento: vivemos intensamente o momento, desde que nos leve até à emoção, e mais outro momento e assim sucessivamente, sejam incêndios, novelas, futebol ou um qualquer crime mais escabroso.
04 de setembro de 2022 às 06:00
...
incêndios Foto: Cofina Media

Depois da voracidade do fogo que produziu noticiários tão intensos, quais rajadas de vento, o flagelo parece estar perto do fim, por este ano, e decresce o alarido sobre aquilo que esta arder ou já ardeu. Vivemos o tempo das análises, dos estudos, de declarações voluntaristas, e pretensamente preocupadas, proclamações solenes, afirmações de princípio e, como diria Camões, sabe-se de um saber de experiência feito, que está quase na hora de virar a página para dar lugar ao esquecimento. O interior do País ficará ainda mais pobre, mais frágil, com sede e fome, tendo para desfrutar imensos territórios devastados pelos incêndios.

A prevenção continuará a falhar, o ordenamento do território continuará adiado, esperando que para o ano a meteorologia seja bondosa com Portugal. Portanto, acabaram-se as preocupações, que este ano há motivos de sobra para nos sentirmos mais motivados para o esquecimento: o Sporting e o Porto estão a perder e o Benfica parece estar de regresso ao topo do mundo. Com futebol tão bom e bonito, não há razão para estar a perder tempo com desastres e com a ruína dos campos.

É esta a razão principal do nosso subdesenvolvimento: vivemos intensamente o momento, desde que nos leve até à emoção, e mais outro momento e assim sucessivamente, sejam incêndios, novelas, futebol ou um qualquer crime mais escabroso. Deixamos que a vida escorra em cima do joelho, volátil, embora cada vez mais agressiva, incapazes de trabalho aturado, sustentado, com planeamento estratégico de médio e de longo prazo. Não é de hoje. Somos filhos do desenrasca. Especialistas na palavra fácil e encantadores de serpentes. Quem se der ao trabalho de procurar os debates e as declarações solenes quando aconteceram as tragédias de 2017, verá com surpresa que as palavras são iguais, as declarações idênticas, a solenidade com o mesmo cheiro a naftalina. Não será necessário esperar pela grande revolução que se promete para a serra da Estrela. Basta olhar para a revolução prometida para o pinhal de Leiria, o cadáver arrepiante que se vê ao logo da autoestrada. E lá vamos proclamando medidas até à miséria final.

Mais notícias de Piquete de Polícia

Da guerra

Da guerra

Depois de tanta notícia, depois de tanto comentário e, sobretudo, depois de tanta propaganda, a questão é outra. Como se explica que o sentido predador do Homem continue a produzir guerras, a dizimar populações, como argumento mais forte nas relações entre seres humanos?
Fim das preocupações

Fim das preocupações

É esta a razão principal do nosso subdesenvolvimento: vivemos intensamente o momento, desde que nos leve até à emoção, e mais outro momento e assim sucessivamente, sejam incêndios, novelas, futebol ou um qualquer crime mais escabroso.
A Matemática

A Matemática

No rescaldo da imensa tragédia que varreu a serra da Estrela, perante o espanto geral com a violência do fogo, a Secretária de Estado Patrícia Gaspar recorreu à matemática para dizer que o desastre não foi assim tão grande. Afinal, segundo o algoritmo com que trabalhava, a imensidão do fogo, um dos maiores da história dos incêndios em Portugal, deveria ter sido mais devastador.
O luto impossível

O luto impossível

A morte de Archie torna-se, neste contexto, num alerta para todos os pais, com filhos menores, no que respeita à manipulação de telemóveis e redes sociais.
Outra guerra!

Outra guerra!

E que ninguém duvide: a violência doméstica e o homicídio de mulheres é dos mais graves problemas da sociedade portuguesa e, por tal motivo, muito menos dele se fala, pouco se reflete e há quase um esforço coletivo para ignorar ou evitar trazer a tragédia para o debate público.
Céu vermelho

Céu vermelho

O fogo é o nosso companheiro habitual em cada verão das nossas vidas. Muito ou pouco ameaçador, instala-se, alimenta-se, mata, se for necessário, e depois segue para outras paragens. E é injusto. Atinge os mais fracos, despedaça a vida dos mais desfavorecidos.

Mais Lidas

+ Lidas